segunda-feira, 6 de junho de 2011

Arrupia os cabelim!

Há muito tempo não postava histórias de terror...

A estátua do menino triste

Minha avó me contou essa história há muitos anos. A casa onde ela mora está cheia de peças de decoração muito antigas. A grande maioria delas foi trazida da Europa pelos italianos em 1875 durante a imigração. São figuras sacras que protegiam os navegantes durante a travessia do Atlântico.

Ouvi muitas histórias sobre vários dos objetos da casa, mas o que mais me assustava era a história da chegada do meu tataravô: Giuseppe Provença e sua imagem de bronze do menino triste.

Meu tataravô dizia que esse menino triste foi o protetor dele durante quase todos os 28 dias de viagem até o litoral brasileiro. Algumas das histórias eram sobre pessoas que tentaram mata-lo a bordo, e que apareceram mortas com aparência esquelética em poucas horas depois de tocar na estátua. Mas a história mais apavorante que ouvi de minha avó foi sobre uma mulher chamada Eva, que Giuseppe conheceu durante a viagem.

No décimo dia a bordo, Giuseppe andava pela proa do navio lotado. Ao chegar próximo da grade, ele viu uma moça, muito bela, chorando debruçada olhando para o mar. Meu tataravô resolve conversar com ela.

A jovem chamava-se Eva, tinha 21 anos e estava vindo ao Brasil para fugir das pessoas que mataram seus pais na Itália. Ela não sabia o que encontraria no Brasil e tentaria a sorte como pudesse, afinal, se estivesse na Itália, ela já estaria morta.

Apesar da história triste, Giuseppe ficou encantado com a moça. Ela parecia ser uma pessoa boa, meiga e simpática. A única coisa que ele estranhou ao conversar com ela foi uma marca em forma de cruz do lado direito do seu pescoço, que ela tentava encobrir com a roupa a todo custo.

Os dias foram passando mais rápido depois que Giuseppe conheceu Eva. Tudo ia bem, até que durante a viagem, começaram a se apaixonar.

A paixão parecia que tinha sido amaldiçoada. Praticamente todos os dias ocorria um pequeno acidente com eles. Eva teve um corte fundo na perna, meu tataravô quase ficou cego durante uma briga e um surto de tuberculose tomou parte das pessoas que estavam a bordo.

Nessa hora a imagem do menino de bronze triste entra na história.

Meu tataravô nunca foi muito religioso, mas acreditava que a imagem do menino triste lhe protegia. Apesar de todos os problemas durante a viagem, ele acreditava que se não tivesse sua estátua em mãos teria sido pior e nem teria chegado ao Brasil.

Um dia, Eva descobre a estátua do menino triste. Giuseppe nunca havia contado sobre isso. Ela fica transtornada e, diferente dele, acredita que toda essa maldição é culpa da imagem. Apesar disso, ela concorda em nunca tocar na estátua. Ela tinha muito medo daqueles olhos tristes de criança chorando, com a boca deformada pelo tempo e pelas crostas de sujeira na cabeça e pescoço.

Depois desse dia, todo contato que Eva tentava ter com Giuseppe acabava mal. Eram machucados cada vez que se abraçavam, seus beijos doíam e o toque da pele parecia uma lixa passando pelo corpo. Dois dias antes de chegada em Santos, eles resolvem se separar. Cada um vai para sua ala para nunca mais se verem novamente.

Mas algo estranho acontece quando Giuseppe volta aos seus aposentos: A imagem do menino está sorrindo. Nesse momento, ele pensou em destruir a imagem que acabou com sua relação com Eva. Ele tentou jogar a imagem pela janela direto ao mar, mas as mãos do menino ficaram cravadas em seu pulso. A pequena estátua não queria ir embora.

Apavorado, ele tentou se livrar da peça batendo seu braço na parede. Mas a imagem do agora menino sorrindo não saia da sua carne. Ele dizia que nessa hora ouvia gargalhadas de crianças. Ele sabia que não estava só naquele aposento.

Em um ato de desespero, meu Tataravô pega um pequeno machado em sua mala e decepa seu próprio braço. Ele desmaia e sua última visão é a imagem da estátua do menino ainda sorrindo toda lavada de sangue. E sua mão sem vida caída ao seu lado, livre das garras da imagem.

Meu tataravô só acordou sete dias depois, já no hospital improvisado do centro de imigração. Ele só queria saber de duas coisas: Onde estava Eva e a imagem do menino de bronze.

O médico só permitiu sua saída dias depois. Giuseppe foi à procura de Eva. Na lista de imigrantes não havia ninguém com esse nome, nem algo que fosse parecido. Sua busca parecia em vão.

Até que, vinte anos depois, durante um passeio pela orla de Santos, Giuseppe tem a visão que procurava há tanto tempo: Eva estava caminhando pela praia, sozinha, usando um vestido colorido e descalça na areia. Ele sabia que era ela, e teve certeza quando viu a marca em forma de cruz no seu pescoço. Giuseppe foi em sua direção, mas para sua surpresa, a moça não se chamava Eva, era nascida no Brasil e nunca conheceu nenhum Giuseppe.

Enquanto a moça, que Giuseppe sabia que era Eva, ia embora, algo toca seu pé na areia: Era a estátua do menino, novamente chorando e triste. Apesar do susto, ele pega a estátua e leva para casa.

Depois desse dia meu tataravô conheceu sua esposa, casaram-se e criaram uma grande família, tudo com sob o olhar da estátua do menino triste, que parece decidir a felicidade de todos. Mas o detalhe mais assustador somente minha avó descobriu ao limpar a estátua um dia: Havia uma pequena marca, em formato de cruz, no lado direito do pescoço da estátua.

Hoje a estátua do menino triste tem um lugar na casa da família. Nunca mais pensamos em nos desfazer dela.

Apocalipse 2000

3 comentários:

Pardim disse...

Que bosta!

Rodrigo da Viola disse...

De tanta coisa pra ler acabei não lendo !! Mas continue postando estas estórias pq pode ser que alguém leia.

Jáááárdel disse...

eu sabia que vc tinha preguiça de ler...